RADIOCORREDOR: O futuro do Rádio é a internet

Translate

RADIO CORREDOR - MONTAMOS A SUA willian.radio@gmail.com

TENHA SUA PRÓPRIA RÁDIO. MANDE UM WHAT´S UP 21 982240993
MONTAMOS A SUA RÁDIO, ENSINAMOS A OPERAR.

INVESTIMENTO: R$ 99,00 ÚNICO PARA INSTALAÇÃO E R$ 26,00/ MÊS. Também instalamos sua "rádio de poste" valores comerciais sem absurdos. Quer investir em rádio, fale conosco. VOCÊ MESMO OPERA E COLOCA EM SEU BLOG.

Acesse: https://www.facebook.com/CRIARMINHARADIO

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

O futuro do Rádio é a internet


Fonte: Ethevaldo Siqueira – O Estado de S.Paulo

“Onde houver um alto-falante ou um par de fones de ouvido, o Rádio aí estará, pois, hoje, mais do que nunca, precisa tornar-se mais vivo, mais forte e mais avançado. Eu vejo o caso da internet como um novo meio de se ouvir rádio. Um estudo recente (da empresa Arbitron) mostra que 42 milhões de norte-americanos ouvem Rádio online, via internet, toda semana. Vejam que coisa boa: a internet amplia nossos horizontes. Ela é a continuação de nossas transmissões. Temos de dizer tudo isso ao nosso público.”

Essa é a visão otimista do Rádio, exposta por David Rehr (foto), presidente da Associação Norte-Americana de Radiodifusores (NAB, na sigla em inglês), em seu discurso de abertura do NAB Show 2009 e em entrevista aos jornalistas que cobriram a abertura do evento, na semana passada.
Para ele, o Rádio e a televisão passam por mudanças empolgantes. São mudanças totalmente inesperadas, que parecem ocorrer num piscar de olhos e que dão a impressão de serem desestabilizadoras. “Na posição em que me encontro, entretanto, posso afirmar que são oportunidades para serem agarradas e não para deixar escapar.”
Rehr reconhece a inquestionável crise econômica por que passa o mundo. “E o Rádio, naturalmente, enfrenta grandes desafios. Mas, em contrapartida, aqui mesmo, neste NAB Show, estamos comprovando que os profissionais do Rádio e da TV (os radiodifusores) estão forjando o futuro, aprimorando as inovações e criando múltiplas plataformas para a distribuição de seu conteúdo. Nossa estratégia é da convergência positiva, pois podemos transformar os desafios em novas oportunidades, como, por exemplo, a visão tridimensional, a incorporação da FM aos chips dos celulares e à exploração total das possibilidades da internet.”
Na verdade, o Rádio prepara-se para o futuro e para captar as múltiplas oportunidades da era digital. De um lado, as emissoras têm de enfrentar, sem qualquer hesitação, os desafios tecnológicos. De outro, enfrentar o desafio da tomada de duras decisões para assegurar o equilíbrio econômico e um futuro mais seguro de suas empresas.
O presidente da NAB discorda das pessoas que acusam o rádio de ser a mídia do passado, de não haver evoluído diante dos desafios da era digital, obsoleto e incapaz de enfrentar a concorrência dos tocadores de MP3 e de outras plataformas.
Diante de tantas ameaças e perigos, a NAB lançou há dois anos o projeto Rádio 2020 – uma iniciativa para que o valor do Rádio continue a ser reconhecido também no futuro, como grande meio de comunicação que é.
Nesse sentido, a grande preocupação da NAB é a revitalização do rádio, num projeto de 12 anos, com dois objetivos principais: “de um lado, corrigir as eventuais distorções de percepção pelo público e, de outro, aprofundar o que poderia ser chamado de um caso de amor (ou love affair) entre o ouvinte e o Rádio”.
Outra preocupação de quem atua com Rádio nos Estados Unidos é tornar reconhecido pela sociedade o papel exercido por esse meio de comunicação. Esse é o objetivo central da campanha “Rádio Ouvido Aqui”, pela qual as emissoras relembram aos ouvintes a importância da radiodifusão para a comunidade local, para os negócios, para a indústria eletrônica e para a vida social em geral.
Segundo Rehr, a campanha está, de certo modo, levando o Rádio de volta às suas origens. Mas o importante, relembra, é ir além do discurso da campanha e atingir, efetivamente, esses objetivos.
Para outros líderes, a volta às origens significa resgatar um pouco daquela visão original dos pioneiros do Rádio, no começo do século passado, que era estar muito mais próximo do ouvinte, pela informação, pelo entretenimento, pela cultura, pela prestação de serviço, pelos debates de interesse social, pelas grandes causas, pela democracia, pela defesa do meio ambiente, pela paz.
A vitalidade do Rádio pode ser medida pelo nível de audiência de 80% da população total dos Estados Unidos: quase 240 milhões de pessoas que sintonizam seus receptores a cada semana. Ao mesmo tempo, o rádio amplia sua audiência com os novos formatos e modelos proporcionados pela internet, nos podcasts, blogs e redes sociais.
Ainda na visão de David Rehr, as emissoras de televisão e a própria NAB fazem desde 2005 um esforço especial para completar a transição da TV analógica para a TV digital. O setor de televisão como um todo uniu-se com o objetivo de educar e informar o consumidor, numa campanha de mais de US$ 1 bilhão.
Essa campanha educativa alcançou praticamente todos os espaços visíveis da America, garante Rehr: “na própria TV, nos barcos, aviões, ônibus, nos pontos de coletivos, nos metrôs, no rádio, nos cartazes dos outdoors, na internet, nas maiores e nas menores feiras, num total de 8.300 eventos nos Estados Unidos”.
O único problema ainda sem grande perspectiva e que não é enfrentado pela NAB é a questão da digitalização do Rádio nos Estados Unidos. Por mais propaganda que se faça, por maior que seja o apoio da entidade, o padrão chamado HD Radio, da empresa Ibiquity, não decola e tem problemas de qualidade que o tornam inaceitável para os Estados Unidos e para o mundo. É mais fácil digitalizar o Rádio pela internet do que pelas formas de transmissão tradicionais, via atmosfera.

Postar um comentário

SUA RÁDIO ON-LINE, ON-TIME, FULL-TIME

Sua Rádio no Celular

AGENCIA

Rádio em Revista - uma publicação da Escola de Rádio

Comente no Face

Minha lista de blogs

RADIO DICAS

  • http://www.maquinadotempo.net/TutorialZaraRadio/Dicas-ZaraRadio.htm
  • http://marketingpublicidade.com/dicas-para-fazer-anuncios-de-radio

Linkd In